21 de fevereiro de 2007

José Afonso em Ovar





Câmara Municipal de Ovar promove colóquio e exposição para evocar o cantor de intervenção
“Cantar Outro Amigo – Lembrar Zeca Afonso”

No dia 23 de Fevereiro comemora-se 20 anos sobre a morte do cantor de intervenção Zeca Afonso, para manter viva a sua memória e homenageá-lo, a Câmara Municipal de Ovar e a Escola José Macedo Fragateiro preparam um colóquio sob o tema “Período de Baladas de Zeca Afonso”, uma exposição Biobibliográfica “Cantar Outro Amigo – Lembrar Zeca Afonso” e um espectáculo de músicas de Zeca Afonso.

As comemorações têm início no dia 23, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Ovar, com o colóquio “Período de Baladas de Zeca Afonso”, por Guilhermino Monteiro e Octávio Fonseca da Silva e conta com a actuação do Grupo Vocal Canto Décimo da Escola Secundária José Macedo Fragateiro. Logo de seguida é inaugurada a exposição biobibliográfica “Cantar Outro Amigo – Lembrar Zeca Afonso”. A exposição sobre a vida e obra do autor de “Grândola, Vila Morena” estará patente até ao dia 17 de Março, havendo um programa especial para as escolas (ver anexo), cujo objectivo é dar a conhecer Zeca Afonso - popularizado, entre os colegas, como o Bicho-cantor - através de visitas guiadas e animadas à exposição sobre a sua vida e obra, com ateliers de jogos dramáticos em torno das músicas.
No dia 24, pelas 21h30, o Salão dos Bombeiros Voluntários de Ovar recebe o espectáculo “Músicas de Zeca Afonso” pelo Grupo Vocal Canto Décimo e pela Classe Avançada de Dança Contemporânea da Escola de Bailado do Orfeão de Ovar.

Os intervenientes do Colóquio
Guilhermino Monteiro é licenciado em História e estudou no Conservatório de Música do Porto, tendo integrado vários agrupamentos instrumentais e vocais. Gravou vários Cd's, como cantor e instrumentista, com Sérgio Godinho, José Mário Branco e João Lóio, com quem tem realizado numerosos concertos. Entre 2004 e 2006, foi adjunto do Maestro Borges Coelho, na Direcção Artística do Coral de Letras da Universidade do Porto. Em Outubro de 1997, fundou, no âmbito do trabalho escolar com alunos, o Grupo Vocal Canto Décimo, da Escola Secundária José Macedo Fragateiro, de que é, desde então, Director Artístico.
Octávio Fonseca da Silva dedicou-se, entre 1970 e 1973 à crítica musical nas publicações A Memória do Elefante e Mundo da Canção. De 1987 a 1992, realizou programas radiofónicos de divulgação e crítica, dedicados à música popular portuguesa, no Rádio Clube do Porto, na Rádio Nova e na Rádio Press. Desde Dezembro de 2006, realiza o programa Os Cantos da Casa na Esquerda.Rádio, a estação de rádio do Bloco de Esquerda na Internet.
De 1980 a 1990, estudou guitarra com os professores José Pina, Paulo Peres e José Manuel Fortuna. A partir de 1982 fez parte de diversos agrupamentos de música popular portuguesa, de que se destaca a colaboração com João Lóio no espectáculo Mais um dia. Desde Dezembro de 1994 integra o grupo «Chamaste-m’ó?». Publicou os livros, Carlos Paredes: a guitarra de um povo (2000) e José Mário Branco: o canto da inquietação (2000).

Como figura marcante da música tradicional portuguesa, cuja música marcou uma viragem historico-política no país, era impensável não recordar o homem, o aveirense, o cantor, ou tão simplesmente Zeca Afonso.

Ovar, 19 de Fevereiro de 2007

1 Comment:

josé monteiro disse...

Uma forma envolvente e rigorosa de manter viva a memória do Zeca, um presente à comunidade de Ovar. Obrigado Canto X, obrigado Classe de Dança Avançada, obrigado ZECA!