5 de fevereiro de 2007

Casa cheia na Longra para celebrar Zeca Afonso

As crianças que participaram na oficina de escrita "Escrever com José Afonso"

No debate/tertúlia: José Carlos Pereira, Alexandre Manuel, Gabriela Alves, Alípio de Freitas, filhos e netas de Adriano, Paulo Alão e Adão Coelho.


Foi um dia cultural o vivido no passado sábado em Felgueiras, na Casa do Povo da Longra, na abertura do ciclo de festas nacionais em homenagem a Zeca Afonso, nos 20 anos após a sua partida, em viagem com bilhete de ida e volta.
A iniciativa, denominada “Somos Nós Os Teus Cantores”, foi organizada pela Casa do Povo em parceria com o núcleo do norte da Associação José Afonso (AJA) e com o apoio da Associação 25 de Abril e do Sindicato dos Professores do Norte. Neste evento, denominado “Somos Nós Os Teus Cantores”, foi também evocado Adriano Correia de Oliveira, desaparecido há 25 anos, em 16 de Outubro de 1982.
“É lamentável o esquecimento a que foi votado o nosso amigo Adriano, grande e bom companheiro do Zeca, a quem o país tudo deve. É um enorme crime colectivo. Os poderes instituídos são os culpados desse crime. Este silêncio não é inocente, não é casual" – acusou Alípio de Freitas, presidente da AJA, de lágrimas nos olhos, de tarde, na abertura da iniciativa de Felgueiras, na qual participaram Isabel e José Manuel Correia de Oliveira (filhos de Adriano), os jornalistas Alexandre Manuel e Soares Novais e o músico Paulo Alão, entre outros.
Ainda da parte da tarde, foi inaugurada uma exposição muito completa sobre a vida e a obra do homenageado e anunciados dois livros – um da Arca das Letras, sobre Adriano Correia de Oliveira; outro de Miguel Gouveia, de escrita criativa para crianças sobre José Afonso. A propósito deste livro, o seu autor, levou a efeito um workshop para as crianças. Este tipo de publicação é inédito em Portugal e vai ao encontro da política cultural da Galiza, onde a obra de José Afonso é ministrada oficialmente nas escolas, do ensino básico ao universitário.
O ponto alto deste dia foi, sem dúvida, o espectáculo musical, à noite, no auditório da Casa do Povo, com casa, praticamente, cheia (mais de 90%), a participar festivamente nas canções. Actuaram Francisco Fanhais (ex-padre, que acompanhou José Afonso em muitos espectáculos e lhe passava as partituras), Tino Flores, outro antigo companheiro do homenageado, a banda “Hyubris”, que se notabilizou com uma versão muito bem trabalhada da “Canção de Embalar”, os “Erva de Cheiro”, que lançaram ali o CD “Que Viva o Zeca!” e puseram o público a cantar em uníssono; e o grupo AJAforça, que nasceu em torno da AJA (Norte) e que iniciou o espectáculo. No final do espectáculo, uma parte assistência subiu ao palco para cantar a “Grândola”. Antes disso, o presidente da AJA insistiu subir para a agradecer às pessoas a sua presença, mesmo naquela noite fria de Fevereiro. A maioria da assistência era de fora, do Porto, Guimarães, Amarante, Coimbra, Lisboa e outros pontos. Ainda antes da “Grândola”, trajados académicos e elementos da organização distribuíram 400 cravos de Abril pela assistência.
Comissão organizadora agradece
A comissão organizadora, em nota de imprensa, agradece publicamente a todos as pessoas singulares e colectivas que se associaram ao evento de Felgueiras: as deram o seu alto patrocínio – a Associação 25 de Abril e o Sindicato dos Professores do Norte; as que deram o apoio logístico e/ou material – Semanário de Felgueiras, Hotel Hórus, Quinta do Ferro, Quinta de Maderne, Terras de Felgueiras. Móveis Ruca, Restaurante Juventude e o Restaurante Feijoeira; e as que deram o apoio a nível de divulgação informativa – RTP, Rádio Renascença, Antena 1, TSF, jornal SOL, Jornal de Notícias, Público, Jornal de Letras, Lusa, Primeiro de Janeiro, Correio do Minho, Diário do Minho, Semanário de Felgueiras, Jornal da Lixa, Rádio Felgueiras, Expresso de Felgueiras, Jornal de Lousada, Notícias de Vizela, Jornal NOVAS, Benedicto García Villar (jornalista galego), Viriato Teles (jornalista), editora Arca das Letras, Soares Novais (jornalista), Manuel Alegre, Amélia Muge, Hélder Costa, Elfriede Engelmayer, entre outros órgãos de informação, jornalistas, artistas e intectuais, cuja lista é impossível enumerar, pedindo-se desculpa se, eventualmente, não for mencionado alguém que o deveria ser.

1 Comment:

isabel victor disse...

Parabéns por esta iniciativa !

Ponho a disposição o "Caderno de Campo " para dar notícias.

Saudações