19 de fevereiro de 2007

Minha mãe



Música: José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (1929-1987)
Letra: 1ª quadra popular; 2ª e 3ª quadras de José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos (1929-1987)
Incipit: Ó minha mãe, minha mãe
Data: 1960-1961

Ó minha mãe, minha mãe,
Ó minha mãe, minha amada,
Quem tem uma mãe tem tudo,
Quem não tem mãe não tem nada.

La-ra-rã; La-ra-rã-la; La-ra-rã; La-ra-rã-la
La-ra-rã; La-ra-rã-la; La-ra-rã; La-ra-rã-la

Quem não tem mãe, não tem nada,
Quem a perde é pobrezinho,
Ó minha mãe, minha mãe,
Onde estás que estou sozinho?

La-ra-rã, etc.

Estou sozinho no mar largo,
Sem medo à noite cerrada
Ó minha mãe, minha mãe,
Ó minha mãe, minha amada.

La-ra-rã, etc.

No registo de 1961 canta-se o 1º dístico e repe-se; após o 2º dístico entoa-se o trauteio.

Informação complementar:
Composição musical de inspiração estrófica, ainda apegada ao efeito de repetição assente na redondilha maior, mas ensaiando contido tentame de ruptura expresso no solo de viola de acompanhamento e na inclusão de um trauteio entre coplas. O último elemento como que introduz na leitura da obra artística um elemento de perburbação: estrófica? com refrão? "Minha Mãe" configura uma ponte simbólica entre o antes clássico (quadra, efeito de repetição) e o depois (solo de viola, trauteio) e o debutante Movimento da Balada. José Afonso elabora a composição em compasso quaternário (4/4), espraiando-se num sentimental Ré Menor. O trauteio é interpretado em ternário.
O trauteio não é fácil de captar. José Afonso não separa distintamente as sílabas e não é claro se diz sempre "la-rã-rã". Algumas vezes parece ouvir-se "na-rã-nã", "na-rã-la" ou até "na-rã-lã".
A presente transcrição de letra segue "Cantares de José Afonso", Lisboa, Edição das AAEE, 1969, e também "José Afonso. Textos e Canções", Lisboa, Assírio e Alvim, 1983, p. 34.
A autoria da música, oficialmente reclamada por José Afonso (1929-1987), levanta algumas dúvidas, pois o Juiz Conselheiro Alcindo Costa (relato de 18/06/2003) diz ter aprendido uma melodia semelhante a esta por volta dos sete anos em Trás-os-Montes, em plena década de 1930. O mais certo é José Afonso ser o autor da melodia na parte corresponde às estrofes, tendo reelaborado uma melodia de origem popular provincial no que respeita ao trauteio. Nos embalos populares era costume as mães rematarem os dísticos com estorpecedores "ó-ó-ós" e "na-nã-nã-nãs", sendo plausível que José Afonso tenha escutado este tipo de trauteios quando viveu em Belmonte (1938-1940). Dúvidas não subsistem, todavia, quanto ao sentido canto com que parece evocar a figura materna, Maria das Dores, ausente da vida do menino e adolescente nos períodos 1930-1933, 1936-1937, e longamente a partir de 1938. Em comentário aos textos publicados em 1969, subscreveu "A uma mãe não canonizada por nenhuma data oficial, nem institucionalizada por nenhuma nota oficiosa".
A primeira gravação conhecida deste tema foi efectuada por José Afonso no teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra no Verão de de 1961, sendo o cantor acompanhado à viola por José Niza e Durval Moreirinhas: LP "Coimbra Orfeon of Portugal", USA, Monitor MP-596, ano de 1962; reeditado na cassete "Orfeão Académico de Coimbra", Ovação, OV-K77046, ano de 1987, Lado A, Faixa nº 3; idem, no Cd "Orfeão Académico de Coimbra", Ovação, OV-CD-012, ano de 1991 (estas reedições são omissas quanto à data da gravação e instrumentistas). Notam-se claras divergências entre o registo do autor e gravações de terceiros, diferenças estas que também ferem o trauteio. Assim, conforme os gostos e arranjos, ora se escuta "la-ra-ra", "la-ra-rá, "lã-rã-rã"...
O mesmo tema foi gravado por Adriano Correia de Oliveira no EP "Fados de Coimbra", Porto, Orfeu, ATEP 6077, ano de 1962, acompanhado à viola por Rui Pato. Reedições: antologia Cd "Adriano. Obra Completa", Lisboa, Movieplay, 35.003, ano de 1994 ("Adriano. Fados e baladas de Coimbra", Lisboa, Movieplay, 35.004, 1994, faixa nº 12). Adriano grava uma espécie de variante do original: nas coplas bisa o 1º dístico; suprime a 3ª quadra e adultera o 2º trauteio.
Espécime regravado pelo próprio José Afonso, acompanhado por Rui Pato na viola nylon: EP "Baladas e Canções", Porto, Ofir, AM 4.016, ano de 1964 e LP "Baladas e Canções", Porto, Ofir, AMS 301, ano de 1967. Foi este registo remasterizado no CD "José Afonso. Baladas e Canções", Lisboa, EMI-VC 724383661725, ano de 1996.

Outros registos:

-José Maria Lacerda e Megre, CD "Coimbra Eterna", Porto, STRAUSS, ST 5190, ano de 1998, faixa nº 18, acompanhado por Assis e Santos/Moniz Palme (gg), Mário Ribeiro/Manuel Costa (vv). Vocalização excessivamente arrastada, como que modificando a linha melódica. O cantor bisa os primeiros dísticos das quadras e o acompanhamento de guitarra parece-nos excessivamente próximo do concebido em 1956-1957 por Machado Soares para o tema SERRA d'ARGA;

-Frederico Vinagre, fadista profissional activo em Lisboa, no CD "Frederico Vinagre. Fados de Coimbra", Lisboa, Metro-Som, CD 151, ano de 2001 (remasterização de um Lp da década de 1980, com Octávio Sérgio e Durval Moreirinhas);

-José Henrique Dias, LP "De Coimbra... por Bem", Lisboa, Discossete, LP-800, ano de 1991, Lado A, faixa nº 3. Este registo foi vertido no CD "Fados de Coimbra e Tunas Académicas. Raízes e Tradições", CDSETE, Cd 3, ano de 2001;

-CD "Quinteto de Coimbra. Guitarra e Canção de Coimbra", Coimbra, Casa de Fados, ano de 2001, faixa nº 7. Formação profissional constituída por Patrick Mendes/António Ataíde (vozes), Ricardo Dias (g) e Nuno Botelho/Pedro Lopes (vv). Registo próximo de Adriano Correia de Oliveira, com repetição dos primeiros dísticos das quadras;

-António Jesus, CD "António Jesus. O canto, a guitarra e os amigos", Coimbra, AEMINIUM Records 004, ano de 2002.

Não confundir esta composição com duas outras cuja melodia é distinta:

-Minha Mãe (Minha mãe é pobrezinha), gravada na década de 1920 pelo estudante de Medicina da Universidade do Porto Carlos Leal;

-Minha Mãe (Oh minha mãe, minha mãe), espécime da década de 1940, da autoria de Manuel Julião, gravado por Manuel Branquinho.

Transcrição: Octávio Sérgio (2007)
Texto: José Anjos de Carvalho e António Manuel Nunes

Retirado do blog de Octávio Sérgio
http://guitarradecoimbra.blogspot.com

1 Comment:

Eduardo F. disse...

Cito: "Espécime regravado pelo próprio José Afonso, acompanhado por Rui Pato na viola nylon: EP "Baladas e Canções", Porto, Ofir, AM 4.016, ano de 1964"

Ora, na imagem com um Ep denominado de igual forma (podem vê-lo aqui: http://rateyourmusic.com/release/ep/jose_afonso/baladas_e_cancoes_x/), vê-se bem que a referência é outra: AM 4.017, número de série precisamente a seguir ao mencionado.

Acho que isto confirma a minha suspeita de aquelas canções (as desses três Eps que deram origem àquele que é considerado o seu 1º álbum, e reeditado pela EMI em 1997) não devem ser do ano de 1967. A minha suspeita baseava-se apenas no facto de sentir a sua voz um pouco distante da que podemos encontrar no Cantares do Andarilho.

Se isto for verdade, então o referido disco falta nas discografias que conhecemos até agora.