11 de agosto de 2008

O disco "Baladas e canções" não será reeditado?

A editora EMI - retirou de catálogo este título de José Afonso.
Não dizem quando voltarão a editá-lo.
Não é considerado suficientemente atractivo em termos financeiros!

4 Comments:

manuel disse...

Si hay firmas que o soliciten ou algen compre os dereitos, seguro quesi, pero asi por asi non creo as empresas so entenden de $, €, todo se basa na economia, eu o compraria dende logo

rui mota disse...

Mais uma razão para reeditar toda a obra do Zeca, numa só caixa. Mas, para isso, teria de haver uma acção concertada das editoras que detém os seus direitos de edição (royalties) dos herdeiros e da AJA. De outra forma, será difícil evitar o desaparecimento progressivo da discografia existente, o que seria uma pena...
Proponho, desde já, iniciarmos uma campanha com vista a reeditar a obra total de José Afonso. Aceitam-se sugestões!

Eduardo F. disse...

Eu li algures que o Zé Mário queixava-se das editoras terem os discos nos armazéns e não nas lojas.

Neste caso (em que o resultado é o mesmo) isto poderá estar relacionado com o fim da EMI no nosso país. (Fugiu para Espanha, não foi?)

Ou, acreditemos no mal menor, para integrarem este seu primeiro álbum (de 64, não o esqueçamos) na tal edição - que ainda espero que saia - de coisas que por essa altura gravou e que nunca foram editadas.

A ver vamos.
Mas sim, é inquestionável e devia ter financiamento do Ministério da Cultura (sei que quando se pede não se deve dizer mal, mas... já que o Estado, ou aqueles que por ele se fazem passar, não nos respeitando, gostam tanto de arranjar negociatas com os privados!) a edição da sua obra completa. Caramba! se investem não sei quanto dinheiro para trazer discos da Inglaterra, porque não investir muito menos e tornar a sua obra acessível a todos? Disponibilizá-la pelas bibliotecas deste país, para que todos saibam que José Afonso existiu. Tal como se sabem (saberão?) que Camões, Pessoa e muitos outros existiram, deixando uma obra de enorme valor cultural.

Abraço.

Rui Pato disse...

Concordo que deverá ser editada toda a obra do Zeca. Acho que esse património, que anda disperso e cujas matrizes não se sabem a quem pertencem deve, urgentemente ser recolhido, tratado e publicado.