8 de maio de 2009

Testemunho de Francisco Colaço sobre a passagem de José Afonso por Aljustrel

Caros amigos de José Afonso,

Procurando no google informações sobre o Externato D. Filipa de Vilhena de Aljustrel, descobri o vosso blogue. A passagem de José Afonso como docente por aquele colégio particular foi tão efémera que leva a alguns autores e biógrafos a situá-la incorrectamente do ponto de vista cronológico. Tenho constatado essa falha nalgumas publicações e textos. Eu fui um dos alunos priviligiados desse histórico colégio, fundado no início da década de 50 do século passado, pela Drª Amélia Palma Brito, licenciada em germânicas, e o Engº Tec. de Química Francisco Serrano Gordo. A sua fundação, que na época constituíu um empreendimento arrojado, devido às dificuldades económicas dos promotores e aos exigentes requisitos impostos pelo Ministério para a sua legalização, visto que se tratavam de cidadãos não gratos ao Regime, representou uma grande oportunidade para os filhos de uma classe média local ter acesso ao ensino secundário. Nasci no início de 1944, entrei para o Colégio com 10 anos, no ano lectivo de 1954/55. Foi num belo dia de Outubro, no início do ano lectivo de 1957/58, portanto no meu 4.º ano, que nos aparece um jóvem professor de cabelos encaracolados, de óculos de miope, com um sorriso afável, descontraído, que se sentava em cima das nossas carteiras, com uma linguagem e um poder de comunicação inusitados, que encantavam as nossas aulas de Geografia e História. O contraste era demais evidente com a pedagogia tradicional dos outros professores a que estávamos habituados. E naquele colégio não havia a austeridade que existia noutros estabelecimentos de ensino congéneres! Não nos esqueçamos que vivíamos em Aljustrel, vila mineira alentejana de fortes tradições de luta e de irreverência!

Mas esse encanto foi infelizmente sol de pouca dura, pois passado cerca de um mês, fomos brutalmente surpreendidos com o anúncio da sua partida intempestiva, facto que causou naturalmente uma enorme decepção para todos nós. Com efeito o Dr. José Afonso, como na altura o tratávamos, embora ele não tivesse ainda concluido a licenciatura, com a sua singularidade rapidamente grangeou a nossa simpatia. Nessa época, para vos dar uma noção de escala, o concelho de Aljustrel tinha uma população de 17.535 h, dos quais residiam na freguesia de Aljustrel 9.560 h, nas Minas, então exploradas por uma companhia belga, trabalhavam cerca de 1.000 operários e quadros administrativos, o Colégio era frequentado, do 1.º ao 5.º ano, por cerca de 100 alunos! Podiam-se contar pelos dedos de uma mão os alunos que eram filhos de operários...

A partida do jovem professor, constituíu uma manifestação expontânea de simpatia por parte dos alunos, que o acompanharam em massa, numa manhã de triste memória, à estação de C.F. de Aljustrel, então chefiada pelo Sr. Tonicha, pai do cantor/compositor/trovador Francisco Naia (também seu efémero aluno, mas que ele exageradamente fabula na sua auto-biografia...)! A nossa decepção foi tanto maior quando descobrimos depois que ele era um dos melhores intérpretes do fado coimbrão. Ele foi de Aljustrel directamente para a Escola Industrial/Comercial de Lagos, certamente com melhores vantagens. No entanto nunca chegámos a conhecer as causas verdadeiras da sua abalada. Ele estava a atravessar um período difícil da sua vida (separação da sua companheira?). Quanto à exactidão do ano lectivo (1957/58), não tenho qualquer dúvida, pois lembro-me perfeitamente da sala de aula do 4º ano (o colégio tinha apenas 5, cada uma correspondendo, durante anos à fio, a cada um dos respectivos anos escolares). Recordo-me que estávamos no ano lectivo que foi terminar com um período de muita agitação política, as campanhas eleitorais de Arlindo Vicente e Humberto Delgado, que abalaram profundamente o Regime, e as ruas de Aljustrel constituíram um palco desse alvoroço, com manifestações massivas da população aquando da passagem de ambos os candidatos e as prisões que se registaram nas vésperas do "acto eleitoral" (queria dizer farça). Então os alunos mais velhos do colégio do 5.º ano já discutiam "política" com os professores situacionistas (alguns filhos de oposicionistas, várias vezes presos, dos quais alunos me recordo do meteorologista Olavo Rasquinho e do Edmundo Silva, ex-Sheik).

O reencontro do Zeca com as gentes de Aljustrel dá-se anos mais tarde na Bélgica, com alguns exilados políticos, fundadores da APEB (Associação de Emigrados na Bélgica), tais como Francisco Rasquinho, António Palma Brito e José Soares. Depois do 25 de Abril, curiosamente, ele só tem oportunidade de actuar uma vez em Aljustrel, num espectáculo onde cantaram e tocaram os grupos corais dos mineiros e da Câmara, a Filarmónica, o Zeca e o Fausto (o Vitorino encontrava-se então numa tournée na Jugoslávia com o grupo coral do Redondo). Este espectáculo, organizado pela Sociedade Musical Aljustrelense, da qual eu era presidente, realizou-se no jardim público, numa tarde de forte canícula do dia 23 de Julho de 1978. Surpreendente e tristemente a adesão do público não correspondeu às espectativas, e a canícula não pode explicar tudo... Que contraste com a manifestação de carinho que os seus alunos lhe testemunharam à sua despedida de Aljustrel, 20 anos antes! Mas nem tudo foi negativo, depois de um jantar com vários casais amigos, subimos à colina do santuário de Nossa Senhora do Castelo, que fica no alto da vila, único local onde nessa noite se podia respirar, partilhámos numa fraterna tertúlia uns momentos inolvidáveis de poesia, com poetas locais, Manuel Edmundo da Silva, João dos Santos, António Cardoso Ferreira. Recordo-me que também esteve presente o cineasta Rui Simões que, pouco tempo antes, tinha rodado em Aljustrel, algumas cenas do "Bom Povo Português". Nesse dia o Zeca e a Zélia pernoitaram em minha casa.

Só mais tarde, em Setembro de 1984, voltei a encontrar o Zeca em Tavira, na companhia do Pedro, mas já muito debilitado pela doença que o minava.

Aqui deixo o meu testemunho da breve passagem e relação do grande Zeca com Aljustrel.

Cordiamente

Francisco Colaço

1 Comment:

Lena disse...

Caro Francisco Colaço:
Muito obrigada pelo seu depoimento - para mim especialmente emocionante - sobre a passagem do Zeca, meu pai, em Aljustrel.
Estes depoimentos da sua actividade como professor,quando deambulava pelos quatro cantos do país,leccionando onde era colocado, são preciosos porque baseados na "marca" que ele terá deixado nos seus alunos. O seu, nomeadamente, retrata a pessoa que, afinal, sempre foi e constituiu a sua essência. Reconstitui mais uma etapa do Zeca, aqui em Aljustrel, com um importante, singelo e fidedigno retrato histórico-social da época.

Helena Afonso