14 de janeiro de 2010

Júlio Pereira apresenta o seu primeiro disco de canções, na livraria "Ler Devagar", dia 15 de Janeiro


O homem do cavaquinho, como muita gente o conhece, vai aliar a música à escrita de Tiago Torres da Silva e à pintura de Tiago Taron para lançar, dia 14 deste mês, Graffiti, que o próprio tem vindo a definir como sendo o seu "primeiro disco de canções".
Com uma carreira musical de mais de 30 anos como "instrumentista", conhecida sobretudo a partir do disco Cavaquinho (1981), Júlio Pereira decidiu agora fazer um álbum de canções, para o qual convidou, pela primeira vez, um "letrista", Tiago Torres da Silva, e Tiago Taron, para "pintar o universo das canções", disse o músico em entrevista à Lusa.
Outra novidade nesta obra de Júlio Pereira consiste no facto de não ser um "disco total", mas antes um trabalho que está a ser desenvolvido em "equipa e por fases" - em que a Internet tem um papel crucial -, o que faz com que o músico tenha "curiosidade em saber qual o resultado", como sublinhou na mesma entrevista.
Visíveis neste trabalho, na página do músico na Internet (www.juliopereira.pt), estão dois temas: Magia imaginação, com voz de Maria João, e É um dia sim, É um dia não, cantado por Luanda Cozetti.
Um EP com quatro canções, no final de Fevereiro, e um CD, a editar no fim de Maio, são as próximas fases do projecto Graffiti, revelou Júlio Pereira. Contudo, o projecto será divulgado em Lisboa no espaço Ler Devagar, a 15 deste mês, dia da inauguração de uma exposição de pintura de Tiago Taron, na galeria da LX Factory. "Embora o que soe seja a palavra graffiti, o que importa é o conceito que está por detrás disto tudo: histórias de rua, urbanas, onde não interessa a referência de qual o sítio do mundo." Um conceito que permite aos três artistas ir jogando com palavras, sonoridades, músicas, culturas, ao mesmo tempo que vão criando as suas histórias.
Daí que, logo para o single tenha ido buscar Maria João, uma portuguesa conhecida internacionalmente, para cantar uma canção "mais intimista, que fala de enamoramento entre duas pessoas em que o que conta é a magia e imaginação", e uma brasileira, Luanda Cozetti que canta: "(...) sou uma pessoa/sul-americana/Bom dia, Lisboa/Meu nome é Luanda (...)."
Júlio Pereira confessa-se "muito criterioso na questão do objecto" e deixa a promessa: "Não vai ter plástico."


1 Comment:

Joao disse...

Jilio Pereira diz que vai lançar o seu primeiro trabalho de canções.
Penso que poderá haver um erro a esse respeito, se assim for gostaria de ser corrigido.
O primeiro trabalho de Julio Pereira com canções data de 1976 "FERNANDINHO VAI AO VINHO", COM LETRAS, MUSICAS E ARRANJOS DO PRÓPRIO, album editado pela DIAPASÃO.