24 de maio de 2006

"Maio, Maduro Maio" evoca Zeca Afonso dia 27 no D. Maria II

"Maio, Maduro Maio" é o título do recital evocativo da obra poética de José Afonso a realizar dia 27 no Teatro Nacional D.Maria II, em Lisboa, com Luís Machado, Filipa Pais e o Coro Polifónico de Almada.
"Maio, Maduro Maio", "Vejam Bem", "Traz outro amigo também", "Cantigas de Maio", "As palavras", "Utopia", "Menino do bairro negro", "Os vampiros", "Canção de embalar", "Milho verde", "Venham mais cinco", "Grândola, vila morena" e "A morte saiu à rua" são alguns dos poemas que irão ser ditos no recital, que conta com a participação dos músicos Nelson Martins, ao acordeão, e de Paulo Borges, ao piano.
"Há uma luz pura cimeira", "por um momento mefui habituando", "Isto é sono", "Canto moço", "Maravilha, maravilha", "Nefertiti não tinha papeira", "Mulher", "Vai-te circunspecta" e "Sabia antigamente de palavras" são os restantes poemas, alguns dos quais nunca gravados, a apresentar no recital.
A iniciativa "Maio, maduro Maio" é da responsabilidade de Luís Machado, diplomado em teatro pelo Conservatório Nacional e que tem CD gravados de poesia.
Em declarações à agência Lusa, Luís Machado disse que a iniciativa visa divulgar " o homem vertical que ajudou a tornar possível o sonho de Abril" e está enquadrado num projecto mais global destinado a divulgar a poesia portuguesa.
José Afonso nasceu a 02 de Agosto de 1929, em Aveiro, e morreu a 23 de Fevereiro de 1987 em Setúbal.

Agência LUSA

1 Comment:

rui mota disse...

a que horas é ?