7 de dezembro de 2010

Livro "José Afonso - Todas as canções" desvenda o cantor para lá da intervenção

"José Afonso - Todas as canções" reúne as letras e os diagramas de acordes de 159 canções da autoria de Zeca Afonso, compiladas por José Mário Branco, João Lóio, Guilhermino Monteiro e Octávio Fonseca.
O livro está pronto desde 2004, mas a família de José Afonso não autorizou a publicação, tendo a situação sido desbloqueada agora com a editora Assírio & Alvim.
Em declarações à agência Lusa, o músico José Mário Branco explicou que a edição deste livro servirá para "lutar contra a tendência de colocar Zeca Afonso na gaveta do canto de intervenção".
"É também para quem quiser aprender [a tocar as canções do compositor] com a certeza de que tem a transcrição fiel", disse José Mário Branco.
"José Afonso - Todas as canções" será editado na colecção "Rei Lagarto", que reúne livros sobre música e edições semelhantes, como o "songbook" e a biografia "Retrovisor" de Sérgio Godinho e o livro de canções de Tozé Brito.
O livro de José Afonso reúne baladas, trovas, chulas, cantigas populares e cantares de intervenção, mas "as canções de conteúdo expressamente político são até minoritárias no conjunto da sua obra", referem os organizadores no prefácio.
"Arrumar José Afonso na gaveta da canção de intervenção é não compreender que a dimensão da sua obra está ao nível do que de mais importante se fez na música popular universal do século XX. E se não teve o impacto mundial que merecia, foi tão-somente porque ele nasceu onde nasceu", lamentam.
Há toda uma geração que músicos e estudantes de música que podem descobrir e aprender o repertório de Zeca Afonso, sem a carga política dos tempos logo a seguir ao 25 de Abril, referiu José Mário Branco à Lusa.
No livro lá estão "Grândola, vila morena", "Os vampiros", "O que faz falta", "Coro dos tribunais", mas também "Verdes são os campos", "Canção de embalar" e "Adeus ó serra da Lapa".
No prefácio, os quatro autores criticam o "analfabetismo musical" e o "mau gosto" de directores de programas de rádio e de televisão que ignoram a obra de José Afonso e enaltecem o facto de "ser o autor mais cantado por todas as gerações e diferentes escolas de músicos".
Zeca Afonso morreu em 1987 e deixou uma obra discográfica que "constitui um manancial inesgotável de inspiração e de aprendizagem", concluem os organizadores de "José Afonso - Todas as Canções".
À venda está já, pela primeira vez, a edição em DVD que regista a actuação de José Afonso no Coliseu de Lisboa a 29 de Janeiro de 1983, e que inclui ainda o álbum "Galinhas do mato" e textos de Adelino Gomes e Viriato Teles.

Lusa

3 Comments:

Anónimo disse...

cual e o precio € , o coste do dvd mais os portes envio a espanha.
saudos a25abril.org

AVD disse...

Parabéns aos autores de "José Afonso - Todas as Canções"...!

Amílcar Vasques-Dias

ARISTIDES DUARTE disse...

É verdade que a obra de José afonso está muito para além da canção de intervenção. Mas também é verdade que alguns querem que José Afonso seja visto ao contrário, isto é, como um cantor que não era de intervenção, tentando fazer passar a imagem (que ele próprio repudiava) de um cantor não ser um político. José Afonso (por tudo o que tenho lido dele, que nunca o conheci pessoalmente porque sou de uma geração mais nova)sempre disse que era um cantor empenhado politicamente. Concordo, por isso, com o texto de Viriato Teles na edição em DVD do concerto do Coliseu dos Recreios, onde ele escreve isto mesmo.