27 de abril de 2006

"Vozes da Lusofonia": a conversa à volta dos discos

Realizado e apresentado por Edgar Canelas, Vozes da Lusofonia é um programa dedicado à divulgação da música que se vai fazendo em Portugal e no mundo lusófono. Cada emissão conta com um artista (cantor, músico ou grupo) em estúdio para falar do seu trabalho e das músicas que vão passando. É na verdade um programa modelar de serviço público não só por proporcionar aos criadores musicais a divulgação das suas obras mas também por dar aos ouvintes a oportunidade de conhecerem os conteúdos dos discos que vão sendo lançados. E isto é importante que seja feito porque infelizmente as ‘play lists’ ignoram boa parte dos discos que se editam e dos que promovem apenas passam um ou dois temas. É de louvar que Edgar Canelas tenha a preocupação de contemplar todos os géneros, não esquecendo o fado e a música de raiz tradicional. Como quem define os conteúdos da “play list” da Antena 1 persiste em ostracizar essas importantes áreas da nossa criação musical, o programa acaba por constituir um dos pouquíssimos espaços da nossa rádio que lhe dá guarida atenuando assim a sua incompreensível e injusta representatividade radiofónica. E digo incompreensível e injusta já que não corresponde à vontade de boa parte do auditório. Não tenho quaisquer dúvidas de que se as músicas de matriz tradicional tivessem outra presença nas rádios, seriam muito mais consumidas porque têm muitos apreciadores e cultores mesmo entre os jovens e jovens adultos porque é nesses segmentos do público que o fenómeno emergente da ‘world music’ tem mais entusiastas. Como só se ama e deseja o que se conhece, e as rádios continuam a fazer o jogo de poderosos ‘lobbies’, muitos vão continuando a consumir produtos musicais de efeito efémero e rapidamente descartáveis, mas que dão de comer a artistas medianos e fazem prosperar o negócio dos vários agentes do mercado discográfico – editoras, distribuidores, lojistas. Mas se a música a metro vende e faz render bom dinheiro, nada justifica que a música de maior quilate não possa ser também vendável e sem ser necessário adulterar a sua qualidade. As pessoas não são insensíveis à boa música, desde que lhes seja dada a oportunidade de a conhecer e apreciar. É tudo uma questão de boa promoção do que se produz e lança no mercado. Por alguma razão a pianista Maria João Pires, e sem fazer concessões ao mau gosto, já ocupou por mais de uma vez o primeiro lugar do top de vendas em Portugal. E se isto acontece na área da música clássica, por maioria de razão se pode verificar noutros géneros mais acessíveis ao grande público. Embora marginalizado numa dada altura, o fado conseguiu um novo fulgor graças a algumas boas vozes que, aproveitando os caminhos abertos pela grande Amália, se foram afirmando a ponto de já não puderem ser ignoradas. E tal como no fado há também uma grande vitalidade na música de raiz tradicional mas absurdamente quem dirige as principais rádios portuguesas arroga-se em não lhe dar eco. A propósito desta questão, gostei de ouvir o músico Luís Varatojo (do grupo A Naifa), a lamentar-se a Edgar Canelas do facto da música tradicional ter sido banida das rádios nacionais. Em Espanha, e em particular na Galiza, há uma atitude bem diferente: apesar de lá privilegiarem a produção autóctone, nem por isso deixam de dar atenção à música mais autêntica do lado de cá da fronteira. É vergonhoso, e revela bem o provincianismo e a falta de cultura dos responsáveis da nossa praça, que os portugueses José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Fausto Bordalo Dias, Vitorino, Janita Salomé, Pedro Barroso, Júlio Pereira, Brigada Victor Jara, Ronda dos Quatro Caminhos, sem esquecer alguns excelentes grupos da nova geração que recriam a música tradicional, passem mais nas rádios galegas do que nas portuguesas.
Por tudo isto, só tenho que felicitar os radialistas como Edgar Canelas, pela atenção que prestam à melhor música lusófona, designadamente aquela que é criminosamente sonegada pela nossa rádio.

Nota: “Vozes da Lusofonia” passa na Antena 1, domingos às 09 horas e à meia-noite.

1 Comment:

rui mota disse...

Agora que a "lei" sobre a Música Portuguesa na Rádio vai ser aprovada (25% de música portuguesa obrigatoriamente) é bom saber que já há programas que apresentam música portuguesa de qualidade...